Notícias
Foto: Tiago Santos/Clube Curitibano.

50 anos de Clube: Histórias de quem não abre mão de ser “curitibano”

Há exatamente meio século, a inesquecível Seleção Canarinho trazia para o Brasil o tricampeonato mundial de futebol. De verde e amarelo, com direito à festa nas ruas, nas residências, nos Clubes, o país comemorava o principal marco do início da década de 70 para os brasileiros.

Naquele ano de 1970, o Clube Curitibano já era um senhor de 89 anos e crescia em seu propósito de estimular o esporte, a cultura e a vida em sociedade, numa Curitiba que contava 624 mil habitantes. Uma geração de jovens especialmente entusiasmados com a efervescência em torno da prática de esportes dava passos decisivos para a vida adulta. E um desses passos era ingressar no Clube Curitibano.

Era mais do que uma formalidade. Significava ser aceito por uma organização que fazia muito por seus associados e também pela comunidade. Em 2020, eles completam o cinquentenário como associados e merecem uma homenagem especial. Suas histórias vêm repletas de alegria e bons momentos, de conquistas esportivas, bailes, casamentos e muita música.

Vocação para o esporte

Alguns vinham a convite de conhecidos para reforçar equipes esportivas do Clube. Caso do médico ortopedista Lincoln Domanski, que aos 22 anos estudava Medicina da UFPR e se tornou atleta credenciado do time de tênis de mesa. Também era um bom goleiro nas equipes de futebol. O Curitibano – que hoje oferece 44 esportes – era presença indispensável em campeonatos locais, estaduais e nacionais, colecionando títulos em modalidades tão diversas quanto vôlei, basquete, natação, futebol suíço, futebol de salão e, claro, tênis de mesa.

Só entre 1977 e 1978, o Clube conquistou 61 títulos de campeão e 62 de vice-campeão. Recordes foram quebrados, troféus e medalhas acumularam-se no departamento esportivo, a imprensa local enfatizava as conquistas do Clube. É desse período a construção do “Palácio dos Esportes”, um novo ginásio para abrigar as diversas modalidades que os associados praticavam.

Fiz muitos amigos quando entrei no Clube a convite do Luis Pedro Pizzatto, que era diretor do Departamento de Esportes e me convidou para montar um time de Tênis de Mesa. Logo depois comecei a namorar com minha esposa, Maria Cristina Bettega, filha de Rubens Bettega, que foi presidente por várias gestões. Fizemos uma festa maravilhosa no salão que tem o nome dele. Nossos filhos Rubens e Neuza Maria nos deram os netos Gabriela, Maria Eduarda e Luiz Felipe, que tem nove anos e é da equipe de Natação do Clube. Também fizemos uma linda festa de casamento para a Neuza, outro momento inesquecível dessa longa convivência. Hoje frequento a academia, assisto os campeonatos de natação e sempre que estamos em Curitiba aproveitamos os momentos em família

Patrimônio em expansão

O empresário Cidalgo José Chinasso tinha 32 anos quando o grupo de amigos – entre os quais Marco Fatuch e Maneco Dória – o levou para o Clube. Frequentavam os mesmos lugares, estudaram juntos, e logo o novo associado aproveitava a experiência no ramo imobiliário para ajudar a cuidar da expansão do patrimônio.

Na década de 1970, o Clube Curitibano contava com duas sedes: A Barão do Rio Branco e a Barão do Serro Azul. Esta última havia sido alçada ao status de sede social em 1968, e a antiga Sede Barão do Rio Branco foi vendida no início dos anos 2000.

Convidado por amigos de longa data, eu me tornei sócio e em seguida fui diretor de transporte por alguns meses, com a missão de renovar a frota de kombis que transportava os sócios para o golfe. Depois disso fui diretor de patrimônio e participei da compra de vários terrenos na Petit Carneiro e na Getúlio Vargas. Sempre lutei muito pelo Clube e ainda hoje sigo dando opiniões. Por causa da pandemia da Covid-19, sinto falta de ir todos os dias. Vou a pé, faço exercícios na academia, frequento o barbeiro, a peteca, tomo uma cervejinha com os amigos na Toca…Minhas filhas Angela e Marcia debutaram em festas lindas, e o Cidalgo Filho participou de campeonatos. Minha esposa Zelia e eu também fizemos as festas de casamento das filhas aqui no Clube

Tradição de família

Já o médico otorrino Paulo Antonio Monteiro Camargo cresceu dentro do Clube. Suas lembranças de menino são quase todas ligadas a ele e foi natural que aos 19 anos obtivesse sua primeira carteirinha como associado, e não mais como dependente. Feliz com esse longo relacionamento de 50 anos, ele diz que o Curitibano é uma fábrica de amigos.

Estudou fora, morou em vários países, mas sempre se sentiu acolhido ao voltar e estão no Clube os grandes momentos de sua vida social e até profissional, pelas várias oportunidades que viu surgir da convivência com outros associados.

Sempre tive o Clube como uma extensão do meu lar, como a segunda casa da minha família. Amizades de 50 anos fazem dele uma referência diária, uma verdadeira fábrica de amigos. Quantas pessoas queridas conheci no Clube. Ele é penetrante, um grande amigo de todas as horas, que te recebe de braços abertos para um bom aperitivo, uma tacinha de vinho na saída da sauna, um bate-papo com os amigos. Tudo isso deixa a vida mais harmoniosa e feliz. Uma das lembranças mais marcantes foi a festa de casamento da nossa filha Fabíola, para mil pessoas no Salão Azul. Já faz 11 anos, mas os bons momentos nunca são esquecidos. O Clube oferece tanto que não sinto falta de nada. Eu falo cinco idiomas e o italiano aprendi aqui. Quer jogar bola, peteca, quer ler, quer dançar? Venha para o Clube

Cinquentenários recebem Kits

Neste ano de 2020, por questão de segurança, a tradicional festa dos cinquentenários não foi realizada no Clube. Entretanto, para que o registro não fosse passado em branco, 71 associados que completaram 50 anos de associação com o Curitibano receberam na última semana lindíssimos kits comemorativos, que foram formados por uma cesta de antepastos para duas pessoas, um espumante, um vinho, uma caixa de doces especiais, entre outros, e os itens mais desejados: o certificado de cinquentenário do Clube, a comenda e o pin com o cartão de honraria.

Confira as fotos dos kits comemorativos encaminhados aos associados que completaram 50 anos de associados do Clube Curitibano:

Fotos: Tiago Santos/Clube Curitibano.


Leia também:

Um Centenário de Histórias: Curitibano Júnior, um jovem de 65 anos

Feira de Orgânicos está de volta!

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades