Notícias
Arte: Camila Lunard/Clube Curitibano.

Entrevista com Luiz Alberto Bürger, vice-diretor da Bocha

Desde o final de 2018, Luiz Alberto Annunziato Bürger ocupa a função de vice-diretor da Bocha no Clube Curitibano. Mas a sua história com a modalidade começou 12 anos antes, em 2006, quando foi convidado pelo então vice-diretor, Jorge Michel, a praticar o esporte no Pavilhão da Bocha, localizado na Sede Barão do Serro Azul.

“Meus filhos e minha esposa vinham ao Clube três vezes por semana para fazer seus esportes, e eu ficava em casa. Até que o Jorge Michel me convidou para participar. Fui sem compromisso e estou aqui até hoje”, revela o associado. O vínculo de Luiz Alberto Bürger com a Bocha cresce a cada dia e o vice-diretor tem planos para que mais associados também possam criar um elo com a modalidade.

“Deixo aqui o convite aos associados que quiserem participar conosco para aparecerem às segunda feira nas canchas e tentarem aprender. Eu pratico desde 2006 e ainda não aprendi totalmente, mas continuo tentando. Vocês com certeza serão mais felizes durante o aprendizado. Aguardamos vocês!”, convida.

Confira a entrevista com Luiz Alberto Bürger:

Clube Curitibano: Qual sua função como vice-diretor?

Luiz Alberto Bürger: A função principal do vice-diretor é propiciar um bom ambiente tanto físico quanto de harmonia para os praticantes do esporte, e ser um elo com a Diretoria para sugerir e negociar melhorias que acharmos necessárias.

CC: Quais são os principais planos que estão em andamento sob sua pasta?

LAB: Como tivemos um ano atípico em função da pandemia, não pudemos realizar nosso principal evento esportivo, a Copa Curitibano de Bocha, na qual temos normalmente de oito a dez clubes convidados. É uma semana bastante agitada. Em 2019, fomos vice-campeões, nossa melhor classificação até hoje, sendo que perdemos o campeonato por apenas um ponto.

Acredito que tanto eu quanto todos os outros vice-diretores antes de mim sempre tivemos como objetivo principal a divulgação e a vontade de trazer mais sócios para praticarem o esporte conosco.

CC: Neste momento de pandemia, do que sente mais falta no Clube Curitibano?

LAB: Infelizmente 2020 foi um ano totalmente atípico e sentimos demais a falta do convívio com os atletas, pois sempre às segundas-feiras estávamos reunidos rolando umas bolas.

CC: Como foi a interação entre os atletas durante a quarentena?

Com a pandemia matamos as saudades no grupo de WhatsApp, onde nós sabemos do que está acontecendo com os amigos.

Leia também:

Clube encerra a sua participação na On-Limpíada

Entrevista com Airton Miranda Bozza, vice-diretor da Sinuca

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades