Notícias
Arte: Jeniffer Gutierres/Clube Curitibano.

Entrevista com Wagner Bruel, vice-diretor de Beach Tennis

Wagner Bruel divide a vice-diretoria do Beach Tennis com outros dois atletas: Gabriele Blume e Felipe Meister, que jogam desde 2015 e 2017, respectivamente. Isso porque, quando foi convidado para assumir o cargo, em novembro de 2019, queria somar forças com pessoas que tivessem um perfil de liderança e experiência com o esporte.

“Para minha sorte e felicidade, eles toparam encarar o desafio”, ele conta. Wagner recorda que também começou a praticar BT em 2015, a convite de Luís Gandara, um dos precursores do esporte no Clube Curitibano. “Confesso que não dei muita bola no início”, ele brinca, aos risos. Depois de conhecer melhor o esporte, passou a participar de torneios e pôde se envolver completamente com a modalidade ao lado de amigos e da esposa, Ana Bruel, atual 2ª vice-diretora do Clube Curitibano.

Felipe Meister, Gabriela Blume e Wagner Bruel, vice-diretores do Beach Tennis. Foto: Arquivo Pessoal.

Confira a entrevista completa com Wagner Bruel:

Clube Curitibano: Qual é seu principal papel como vice-diretor?

Wagner Bruel: Basicamente, a função da vice-diretoria é ser o elo entre o associado e a Diretoria do Clube. Todas as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o melhor para o associado, dentro do que o Clube pode oferecer. Procuramos usar nossas experiências para promover o crescimento e fortalecimento do Beach Tennis, ouvindo sempre os desejos , anseios e críticas dos praticantes. Buscar outras opiniões antes de tomar uma decisão importante faz parte do nosso dia a dia, porque ajuda a enriquecer o debate!

CC: Como o Beach Tennis é visto dentro do Clube? 

WB: Hoje, graças ao trabalho , dedicação e conquistas dos Diretores que antecederam a nossa gestão (Jorginho e Mombelli) o BT é a modalidade que mais cresceu no Curitibano nos últimos anos. E ainda somos o Clube que mais conquistou títulos (Interclubes) no Estado do Paraná!

CC: Quais são os planos para o esporte atualmente? 

WB: Diante do contexto atual, assim como a maioria das  modalidades, estamos tendo que nos reinventar, mas sem esquecer do planejamento inicial, pois sabemos que em algum momento essa desconfortável situação irá passar! E quando isso acontecer , estaremos prontos para colocá-lo em prática. Esperamos que isso aconteça o mais breve possível, atuando com muita responsabilidade e principalmente prezando sempre pela segurança do associado!

Leia Também:

Entrevista com Andrea Truppel, vice-diretora do Basquete

Mariana Chevalier conclui a travessia do Canal da Mancha

 

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades