Notícias
Arte: Jeniffer Gutierres/Clube Curitibano.

Estrelas do Curitibano: Fernanda de Goeij

O Estrelas do Curitibano tem a honra de contar a história de uma medalhista pan-americana, recordista sul-americana e uma das principais nadadoras do Brasil: Fernanda de Goeij. Com apenas 19 anos, Fer, como também é conhecida, é uma inspiração para os atletas da Natação do Clube Curitibano, por esbanjar dedicação, disciplina e amor pelo esporte.

A paixão que Fernanda de Goeij carrega pela modalidade aquática vem de família, já que o seu irmão mais velho Rodrigo e a sua irmã gêmea Luiza também são nadadores. Natural de Curitiba, Fernanda tinha 6 anos quando se mudou para Vila Velha, no Espírito Santo, com a sua família, e começou a criar um vínculo com a Natação.

No prédio onde moravam tinha uma piscina, foi então que Rodrigo – que procurou a Natação para tratar o problema de asma – , ensinou as gêmeas a nadarem no local. As aulas do irmão mais velho fez despertar o amor pelo esporte em Fernanda e Luiza. “O Rodrigo começou a ensinar a gente a nadar, pegamos gosto pela Natação”, lembra Fernanda.

Um ano e meio depois, uma nova mudança agora para o Guarujá, São Paulo. No litoral paulista, as pequenas de Goeij tiveram o apoio dos seus pais, Henrique Carvalho Goeij e Mari Figura Goeij, que as inscreveram na Academia Vila Souza, uma escolinha/equipe de Natação. Fernanda e Luiza ficaram na equipe até os 10 anos, quando os pais decidiram voltar para Curitiba.

Primeiras competições

Em 2011, a família de Goeij retornava às suas origens, mas a Natação continuou presente no cotidiano dos mais novos. Mais velho, Rodrigo foi treinar no Clube Curitibano, já Fernanda e Luiza entraram para a Academia Amaral. Lá, em 2013, as pequenas atletas participaram das primeiras competições nacionais quando estavam na categoria infantil I, com destaque para as medalhas de bronze conquistadas por Fernanda nos 100m e 200m costas.

“Quando era infantil I, eu disputei o primeiro brasileiro. A minha irmã e eu tivemos bons resultados”, afirma Fernanda, que iniciou no esporte como nadadora dos estilos livre e borboleta, mas por conta de um problema na coluna, tornou-se especialista nas provas da modalidade costas.

Com ótimas performances nas piscinas, Fernanda participou pela primeira vez do Troféu Internacional Chico Piscina – Mococa, uma competição que reúne os melhores nadadores sul-americanos do infantil ao juvenil.

Graças aos resultados nesses torneios, Fernanda e Luiza chamaram atenção dos profissionais do Clube Curitibano e, em 2014, começaram as suas trajetórias na categoria Infantil II da equipe Jack Crawl, mas sem a presença de Rodrigo que decidiu parar de nadar e deixou a equipe do Clube.

Clube Curitibano

Uma troca de equipe sempre exige um período de adaptação aos atletas, já que a metodologia de treinamento é diferente. Logo nos primeiros exercícios, Fernanda e Luiza sentiram a diferença dos treinos.

“No Amaral, nós treinávamos bem, mas era mais uma brincadeira e diversão. No Clube, eu entrei na equipe do Walde e logo percebi que os treinos eram mais longos, tinha dobra, tudo mais rigoroso e disciplinado. Sofri para entrar nos ritmos dos treinos e ter mais compromisso com a Natação”, conta.

Após superar o período de adaptação, Fernanda mostrou evolução a cada treinamento e absorveu diversos aprendizados no Clube. “Eu aprendi a ter bastante foco, compromisso e união”. No Curitibano, além dos exercícios na piscina, como séries mais longas de nado, Fernanda também começou a gostar dos treinamentos físicos e de força.

Protagonismo

Ainda sob o comando do técnico Walde, todo o trabalho árduo dentro e fora das piscinas do Clube Curitibano foram recompensados com a coleção de resultados e medalhas. Em 2015, quando estava no juvenil I, Fernanda conquistou as duas primeiras medalhas de ouro em competições de nível nacional ao vencer as provas dos 100 e 200m costas no Troféu Arthur Sampaio Carepa. No mesmo ano, com apenas 14 anos, de Goeij atingiu um grande feito ao disputar a sua primeira final de brasileiro absoluto na prova dos 50m costas do Troféu Maria Lenk – principal competição de Natação do Brasil.

Cerca de dois anos mais tarde, a nadadora passou por mais uma mudança, não de cidade, mas de treinador. Em 2017, Rodrigo Herval tornou-se o seu técnico e a troca surtiu efeito desde o começo, já que a atleta faturou duas medalhas de prata no Troféu Maria Lenk. Fernanda de Goeij guarda com muito carinho esses momentos gloriosos na competição brasileira absoluta.

“Quando eu peguei medalha pela primeira vez no Maria Lenk em 2017 e baixei em três segundos o meu tempo nos 200m costas, com apenas 16 anos, foi um dos meus momentos mais marcantes da carreira”, lembra. Com os resultados, de Goeij também garantiu a vaga no Campeonato Mundial Júnior.

A partir disso, a nadadora começou a colecionar presenças nas principais competições do esporte e também subiu diversas vezes ao pódio, com destaque para a medalha de prata no revezamento 4×100 livre no Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, que foi disputado em Buenos Aires.

Nos últimos anos, Fernanda tem viajado sozinha para as competições, já que assumiu o protagonismo no atual cenário da Natação brasileira. Isso fez a atleta ficar mais distante da sua irmã gêmea e dos demais atletas do Clube. Entretanto, a nadadora sempre vai carregar em sua memória os momentos inesquecíveis com a sua irmã e toda equipe do Curitibano nas competições.

Temporada marcante

O ano de 2019 foi histórico para Fernanda de Goeij. Após ser medalhista de ouro nos 200m costas no Troféu Brasil, a nadadora garantiu a vaga nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Na capital peruana, nadou quatro provas (100 e 200m costas, 400m medley e o revezamento 4x100m medley) e alcançou resultados históricos ao bater o recorde sul-americano na final dos 200m costas, com o tempo de 2min11s95, quando ficou em 4º lugar, e ser peça importante no revezamento 4x100m medley que conquistou a medalha bronze.

“Na prova decisiva, eu fiquei na torcida, porque caso o Brasil pegasse a medalha, eu também seria premiada por ter classificado o revezamento brasileiro para a final. Eu gritei muito para a galera que estava nadando, quase fiquei louca e quando soube que ganharia uma medalha foi uma grande emoção”.

Além da conquista da medalha de bronze, Fernanda ficou encantada com a Vila Pan-Americana que possibilitou o convívio com os demais atletas brasileiros e estrangeiros. “Os atletas recebem vários pingentes e a troca com os esportistas de outras modalidades ajuda para gerar uma amizade entre os atletas. Na Vila também tem áreas de recreação, eu lembro que comecei a jogar pingue-pongue com atletas do Brasil e de outros países”.

Sem descanso, uma semana mais tarde, Fernanda já estava nas piscinas novamente para a disputa do Troféu José Finkel. A competição brasileira absoluta tornou-se ainda mais importante para a Natação do Clube Curitibano, já que seria realizada no Parque Aquático da Sede Barão do Serro Azul.

Com o apoio da torcida, Fernanda de Goeij foi uma das protagonistas da competição ao subir ao lugar mais alto do pódio nas provas de 100 e 200m costas e ser peça importante no revezamento 4x100m medley, que conquistou a medalha de bronze no Finkel.

Um mês depois, Fernanda de Goeij correu para o aeroporto e pegou um voo para Wuhan, China, para representar o Brasil mais uma vez, agora nos Jogos Mundiais Militares. Na piscina chinesa, a nadadora fez parte do time que representou o Brasil no revezamento 4x100m medley e conquistou a medalha de bronze no campeonato.

Apesar de trazer uma medalha na bagagem de volta ao Brasil, de Goeij não estava satisfeita, já que não conseguiu subir ao pódio dos 200m costas. “Quando eu fui para o Mundial Militar, várias questões influenciam no desgaste, como a distância por ser muito longe, fuso horário, o desgaste físico e psicológico da temporada”, inicia.

“Nos 200m costas, eu não consegui dar o meu melhor porque estava com sono no balizamento por causa do fuso horário. Eu tive apenas dois dias de adaptação e isso é muito pouco. E o 200m costas é a minha melhor prova, tive a chance de ser terceira colocada, mas acabei ficando na quarta posição”, avalia.

Fotos: Arquivo Pessoal.

Exemplo

Apesar de ter apenas 19 anos e estar no começo da sua trajetória na Natação, Fernanda de Goeij é referência para os outros atletas da equipe do Clube Curitibano. “Eu acho isso tudo demais, incrível. Por outro lado, eu não entendo isso muito bem. Sei o que é ser uma inspiração para as outras pessoas, mas me vejo como uma pessoa muito normal”, afirma.

Porém, quando está na seleção brasileira, Fernanda de Goeij é quem recebe os conselhos dos atletas mais experientes. Todo esse aprendizado tem contribuído para a nadadora aproveitar todos os momentos dentro da piscina. “Os atletas da seleção brasileira me aconselharam que devo aproveitar bastante o momento por estar na seleção, que é bom estar nesse ambiente, mas que preciso estar focada na equipe. Tudo isso foi um incentivo para estar nadando, porque fazer parte da seleção brasileira é incrível”.

Olimpíadas

Sobre representar o Brasil em competições internacionais, de Goeij tem um objetivo bem claro: os Jogos Olímpicos de Tóquio. Entretanto, por causa da pandemia de Covid-19, Fernanda viu o mundo mudar, o Clube ser fechado e as Olimpíadas serem adiadas para 2021. Apesar da tristeza por ver todo o planejamento do ano ser interrompido por causa do coronavírus, a nadadora transformou os problemas em soluções e aproveitou o isolamento para descansar.

“A quarentena começou e o Clube fechou, mas eu tentei me manter ativa e nadando em uma piscina pequena. Porém, quando soube que as Olimpíadas tinham sido canceladas, eu desanimei, aproveitei para descansar, distrair a cabeça e fingir que estava de férias. Não que eu estivesse feliz, mas ficar triste não ajudaria”, conta.

Mas com a reabertura das piscinas do Clube, Fernanda de Goeji retomou a preparação juntamente com o corpo técnico da equipe do Curitibano e sentiu a chama olímpica nascer novamente em seu coração. “Há pouco tempo, eu voltei a focar, treinar, cuidar e pensar nas Olimpíadas”.

Mesmo com o cenário incerto, o ano de 2021 promete novos desafios para Fernanda, e o Clube Curitibano vai estar acompanhando as suas braçadas nas piscinas do Brasil e do mundo e segue na torcida pela conquista da tão cobiçada vaga aos Jogos Olímpicos.

Leia também:

Estrelas do Curitibano: Alexandra Mayrhofer

Estrelas do Curitibano: Nathalia Gasparin

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades