Notícias
Arte: Alisson Stasiak/Clube Curitibano.

No Palco do Alcides Munhoz: Arlecchino Servitore di due Padroni

O Grupo de Teatro do Clube Curitibano completou 15 anos em 2020. Como parte da comemoração, diversas peças do GTCC serão relembradas no especial “No Palco do Alcides Munhoz”. Hoje a peça em destaque é Arlecchino Servitore di due Padroni, apresentada em 2010. A peça também foi encenada no Festival de Teatro de Curitiba no ano seguinte, 2011, com algumas adaptações. 

Uma livre adaptação de Enéas Lour para o clássico do dramaturgo italiano Carlo Goldoni, a peça foi inesquecível. A comédia é ambientada em Veneza, no século XVI. O roteiro original tem 180 minutos, então foi adaptado para se passar em 90 minutos. 

A atriz Maria Helena Haro fez o papel de Arlequino, o protagonista. “Foi uma peça muito divertida, o ensaio era muito divertido! Quando o Enéas me deu o papel de Arlequino, no começo já foi engraçado só o fato de uma mulher fazer o papel. E aí eu tive que estudar e fazer um personagem completamente diferente de mim, quanto mais longe o personagem é da minha realidade mais fácil é, mas nós não queríamos que ficasse pastelão. Tinha que ser leve e divertido, e foi assim”, ela conta.  

A tradicional máscara de Arlequino foi retirada, para valorizar as expressões faciais de Maria Helena. O figurino foi feito pelo Grupo, com o apoio de Ana Mary Fortes, supervisora. Marcação de cena, adereços, cenário… Tudo saiu de dentro do coração do GTCC para ser executado da melhor maneira possível. A ambientação e o figurino foram um charme à parte ao roteiro. 

“A gente ria em cena, eu me lembro que tinha uma cena que a gente nunca conseguia fazer sem rir. O público ria, a gente ria junto, quando a gente achava que já tinha rido o que tinha pra rir, dependendo do público, a gente ria de novo”, brinca Maria Helena Haro. Ela destaca que o Arlequino do CC era muito espontâneo e até um pouco diferente do personagem tradicional.

Participação Especial 

A peça começava do lado de fora do Teatro, transformando o ambiente nas maravilhas da Itália. A associada Maria Lúcia Gomes relembra: “foi maravilhoso, muito divertido e os sócios adoraram, entravam no teatro já no clima da peça!”.  

O Coral do Clube Curitibano se apresentou encenando a preparação de um jantar, um banquete. “Arlecchino foi uma peça muito divertida. Foi muito prazeroso fazer parte da peça cantando músicas italianas tão alegres!”, diz a associada Maria Helena Puppi

Vestindo aventais, o Coral cantou quatro músicas italianas: Quel Mazzolin di Fiori; La Villanella; O Marenariello e Funiculi-Funicula. O pianista Raul Passos acompanhou os 45 integrantes, que se revezavam nas apresentações. 

“Da minha parte posso dizer que foi muito gostoso fazer este trabalho, com música italianas conhecidíssimas, alegres, descontraídas. Tenho saudades das 27 pessoas que hoje não estão mais no nosso Coral, mas algumas estão provavelmente nos outros grupos. E imensa saudades de Darcy M. Arrata, Marly de Barros Franco e Gabriel Kalinovski Filho, que hoje estão no outro plano, mas sempre estarão nos nossos corações”, comenta a maestrina Helena Moreno

Arlequino então convidava todos para entrarem no Teatro e se encantarem pela peça. A associada Laurita Salomão recorda da comédia com carinho. “Adorei as apresentações, pois amo as músicas e cultura italiana!”, diz. 

Sinopse  

Pode-se dizer que a peça foi uma verdadeira “viagem pelo tempo”, acompanhando a personagem de Arlequino. Atrapalhado, como um palhaço deve ser, ele consegue emprego com dois patrões, mas um não pode saber do outro. Em paralelo há a insistente conquista pelo amor de Colombina, por quem ele se apaixona à primeira vista. 

Ficha Técnica 

Texto Original: “Arlecchino Servitore Di Due Padroni” de Carlo Goldoni (1707-1793)

Texto Adaptado e Direção: Enéas Lour

Assistente de Direção: Eliane Berger

Dona Lolobrígida Lombardi: Ana Mary Fortes

Pantaleone: Carlos Valente

Giocondo e Frederico Rasponi: Sabine Vilatore/ Déia Truppel

Colombina: Helena da Veiga

Domenico e Criada: Inês Macedo

Florindo Aretusi: Marco Enrico Chiocca

Arlequino: Maria Helena Haro

Genoveva e Criada: Mariane Pacheco Braga

Sílvio Lombardi: Mateus Dal Ponte

Clarice Pantaleone: Simone Stpoiani Nercolini

Dona Begônia: Maria Teresa Consentino (Iko)

Leia Também: 

No Palco do Alcides Munhoz: Bilhetes

Um Centenário de Histórias: Já ouviu falar de Didi Caillet?

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades