Notícias
Foto: Tiago Santos/Clube Curitibano.

Nova identidade para os Esportes Aquáticos

O Clube Curitibano está entre os melhores do Brasil quando o assunto é esportes aquáticos. Em 2019, a equipe juvenil de Natação foi a grande protagonista da temporada ao conquistar os títulos do Campeonato Brasileiro Interclubes de Inverno (Troféu Arthur Sampaio Carepa) e de Verão (Troféu Carlos Campos Sobrinho). Mesmo com as conquistas, a diretoria dos Esportes Aquáticos e Piscinas tem metas promissoras para o futuro da modalidade.

Um dos objetivos da nova gestão liderada pelo diretor André Luiz Diniz é investir mais na formação dos atletas e criar uma identidade para os nadadores do Curitibano. A metodologia de trabalho será mais coesa, com treinamentos qualificados e que vão respeitar o ritmo dos nadadores. 

Novo planejamento será supervisionado pelo treinador Ricardo Cintra, responsável pelo desenvolvimento da ex-nadadora Poliana Okimoto, medalhista de bronze olímpica e referência na Maratona Aquática. Experiente e vencedor, Cintra, de 41 anos, será o elo entre os atletas, técnicos, pais e a diretoria.

“Principal objetivo é dar uma identidade para Natação do Clube, é claro que é um trabalho ao longo prazo, mas fazer com a gente tenha uma identidade, uma metodologia de trabalho que todo falem a mesma língua. O Curitibano tem uma das melhores estruturas do Brasil. Então, a gente tem todo potencial de revelar campeões e ser os melhores em todas as categorias”, afirma Ricardo Cintra.

Leia também:

Fernanda de Goeij é eleita Melhor Nadadora Júnior de 2019

Pódio na 17ª Travessia de Caiobá

Outras modalidade aquáticas

A supervisão de Ricardo Cintra não é exclusiva para a modalidade Natação. O treinador também vai contribuir para o melhor desenvolvimento dos atletas nas provas de fundo, como a Maratona Aquática. Cintra é uma das referências na modalidade, já que foi importante para as conquistas nacionais e internacionais de Poliana Okimoto.

“A minha metodologia é conjunto de conhecimento, como eu nadei em vários clubes, tive a honra de ser treinado por vários treinadores renomados. Com isso, a gente vai juntando os métodos dos outros treinadores, além da minha experiência e convivência principalmente em outras competições e treinamentos fora do país”, revela Cintra.

Além disso, a diretoria dos Esportes Aquáticos também tem como meta gerar novos atletas para o Polo Aquático, onde a renovação é bem-vinda. De acordo com André Luiz Diniz, atividades serão desenvolvidas com o intuito de aproximar o praticante da natação com o Polo Aquático. Focado nos mais jovens, exercícios da modalidade devem ser elaborados durante o ano.

Ricardo Cintra e a diretoria dos Esportes Aquáticos e Piscinas desejam que o planejamento seja um sucesso. Assim, o Clube Curitibano vai estar entre os melhores do Brasil por muitos anos.

A trajetória de Ricardo Cintra

Natural de Mogi Mirim, cidade localizada no interior de São Paulo, Ricardo Cintra tem a paixão pela Natação correndo pelas suas veias desde cedo, já que com 5 anos iniciou a sua trajetória na academia “Esporte Arte”. Mais tarde, quando completou 14 anos, o então nadador deu a sua primeira grande braçada quando viajou até São Paulo para defender o Corinthians.

“Fiquei dois anos por lá. Depois, eu fui para o Pinheiros, fiquei por cinco anos. Mais tarde, eu fui para o Minas Tênis Clube e nadei por mais dois anos. Eu nadei por um ano nos EUA, em Coral Springs, na Flórida”, revela Cintra, que tinha como especialidade os 50m livre, prova na qual conquistou a medalha de prata no Troféu José Finkel em 2002, seu melhor resultado como nadador.

A sua chegada em Santos, mais especificamente no Santa Cecília, foi o início de uma grande transformação em sua vida. Ainda como atleta, Ricardo Cintra conheceu a também nadadora Poliana Okimoto, hoje sua esposa. Em Santa Cecília, o mogimiriano formou-se em Educação Física e assumiu como técnico de Poliana, após aposentar a touca.

“Até hoje eu não sei porque ela acreditou em mim”, brinca Ricardo Cintra. A parceria tornou-se sinônimo de sucesso. O técnico recuperou a autoestima de Poliana com os esportes aquáticos e foi importante para a nadadora migrar das piscinas para o mar aberto em 2005.

A mudança sugerida por Ricardo Cintra foi um tremendo sucesso. Com a sua vontade de vencer aliada ao comprometimento e conhecimento em seu método de trabalho na Maratona Aquática, o técnico foi importante para a evolução da nadadora, que tornou-se pioneira do esporte no Brasil ao ser a primeira medalhista mundial, primeira campeã mundial, primeira medalhista olímpica, primeira campeã do circuito mundial, com direito a recordes de vitórias. Mas o destaque fica para a medalha de bronze olímpica conquistada na Rio 2016.

Além da sua parceria histórica com Poliana, Ricardo Cintra também trabalhou como técnico em grandes clubes do país e orientou atletas da natação que conquistaram medalhas nas principais competições do Brasil. Soma-se a isso o seu trabalho com triatletas, destaque para Paulo Miyashiro, ex-atleta olímpico.

 

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades