Notícias
Arte: Jeniffer Gutierres/Clube Curitibano.

Tesouros do Clube: Favela 352, de Domício Pedroso

Domício Pedroso dedicou toda a sua vida a arte. Nascido em Curitiba em 1930, ele foi pintor, gravador e aprendiz do ateliê do também artista Guido Viaro. Em uma viagem à Paris entre 1958 e 1962, o artista desenvolveu estudos no campo da comunicação visual, estagiando na Radiodifusion Television Française e na Unesco. Com essa bagagem, Pedroso se tornou o primeiro brasileiro formado em técnicas audiovisuais nos Cursos de Cinema, TV e Exposições.

Após seu retorno ao Brasil, Domício Pedroso organizou o Centro Audiovisual da Secretaria de Educação e Cultura para o Governo do Estado do Paraná. Além disso, foi coordenador da FUNARTE – Fundação Nacional de Arte, na região Sul do País.

Domício participou e vivenciou os movimentos artísticos desde a década de 1950, sendo um dos expoentes da modernidade do Paraná. Apresentou suas obras em várias exposições – como a Bienal de São Paulo de 1972 – e seus trabalhos fazem parte de diversos acervos, como do Museu Metropolitano de Arte de Curitiba, do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, da Biblioteca Nacional, do Museu Oscar Niemeyer e do Portland Art Museum.

A obra desta semana, Favela 352, pode ser visitada pelos associados no Departamento Jurídico da Sede Barão do Serro Azul.

Obra: Favela 352, de Domício Pedroso.

Leia também:

Tesouros do Clube: Paisagem, de João Turin

Tesouros do Clube: Menina de Azul, de Leonor Botteri

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades