Notícias
Arte: Jeniffer Gutierres/Clube Curitibano.

Tesouros do Clube: Menina de Azul, de Leonor Botteri

Embora carioca, Leonor Lea Botteri Genehr (1916-1998) fez sua carreira artística em Curitiba. Começou seus estudos em pintura aos 26 anos com Guido Viaro e, entre 1939 e 1947, foi professora primária na capital paranaense. Em 1943, a artista participou de sua primeira coletiva durante o 1º Salão Primavera de Curitiba, realizado no Clube Curitibano, e sendo premiada na ocasião.

Leonor Botteri expôs em diversas edições do Salão Paranaense de Belas Artes, recebendo prêmios em cinco delas. Expôs também mais de cinco vezes no Clube Concórdia.

Na Curitiba dos anos 1940, a entrada da mulher na arte era um grande desafio. Outro era desenvolver uma linguagem própria, sobretudo em um ambiente ainda preso aos moldes acadêmicos. Leonor Botteri venceu esses desafios e teceu o próprio caminho, desenvolveu seu desenho e aprofundou-se na pintura “nunca acadêmica”.

Em 1960 foi nomeada titular da cadeira de pintura da EMBAP (Escola de Música e Belas Artes do Paraná), passando a lecionar a disciplina natureza morta, cargo que exerceu até se aposentar, em 1986. Participou da coletiva Pintores do Paraná, em 1957 no MNBA (Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro), e da Grande Mostra em Homenagem a Guido Viaro, no Centro Cultural Dante Alighieri de Curitiba, em 1972.

A imagem de hoje retrata a filha de Leonor, Elizabeth. A obra está localizada no Salão do Restaurante, na Sede Concórdia.

Obra: Menina de Azul, de Leonor Botteri.

Leia também:

Tesouros do Clube: Retrato de Homem sobre a Bengala, de Estanislau Traple

Projeto Releituras aproxima associados do acervo

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades