Notícias
Arte: Alisson Stasiak/Clube Curitibano.

Um Centenário de Histórias: Natação, o começo

O ano era 1967. A Sede Campestre (atual Sede Barão do Serro Azul) já estava na fase final de sua transformação, sob o comando do presidente Rubens Arles Bettega. Germano Bayer, professor de Educação Física, tinha retornado da Suécia com ideias novas. Dentre elas a de organizar “férias de verão”, que contariam com jogos esportivos e de recreação durante o período. O projeto foi para frente e assim nasceu a Natação no Clube Curitibano.

Depois de praticar natação recreativa no evento, os filhos dos associados pediram para progredir no esporte. Dirceu Rodrigues acreditou que poderia ajudá-los. Comprou então um cronômetro e o livro de Maria Lenk, recordista mundial de Natação no século XX.

Dois meses depois, a equipe já estava inscrita em uma competição. Eram dez crianças e dois dirigentes técnicos improvisados: Dirceu e sua esposa, Regina. Entretanto, a equipe não conseguiu um bom resultado, ficando em último lugar. Assustados com a responsabilidade do cargo, o casal decidiu que era a hora de evoluir: foram ao Rio de Janeiro, o expoente da natação brasileira, e lá visitaram os clubes Flamengo e Botafogo, conversando com técnicos e atletas profissionais.

De Volta à Curitiba, trataram de comprar livros e periódicos estrangeiros, além de contratar novos professores de Educação Física. Ainda em 1967, seis meses após o fracasso inicial, em um campeonato realizado na Sociedade Thalia, para a surpresa de todos o Clube Curitibano conquistou o primeiro lugar! O sucesso nunca mais parou. Já são mais de cinco décadas de dedicação, aprimoramento e vitórias!

Leia também:

Um Centenário de Histórias: Mbá de Ferrante

Um Centenário de Histórias: Carimbo Comemorativo

Compartilhe

Veja mais

Fique por dentro das novidades